Franca, 23 de Novembro de 2017

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

07/04/2017 - Páscoa 2017


                        “Rainha do céu, alegrai-vos, aleluia”.

 

 

Páscoa 2017.

 

 

Queridos irmãos e irmãs,

Povo de Deus da Diocese de Franca,

a paz do Cristo ressuscitado!

 

“Feliz aquela que acreditou” (Lc 1,45), exclamamos com Isabel, sobre a Mãe do Senhor. Gratidão e esperança, são as lições que aprendemos de Maria, neste tempo da Páscoa que se inicia.

Quando rezamos os Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola, consideramos a aparição de Jesus à Nossa Senhora. Os evangelhos não narram este fato. Mas o santo sugere “que embora não seja relatado na Escritura, se tem por dito, quando afirma que apareceu a tantos outros. Pois a Escritura supõe que tenhamos inteligência, como está citado: ‘Também vós estais sem entendimento?” (EE, 299), que devemos acreditar que ela foi a primeira a fazer a experiência da ressurreição.

Maria foi a única a não perder a confiança e a alegria. A presença de Jesus nela é espiritual, é no seu coração.

Cristo apareceu aos seus discípulos porque estes perderam a fé com a sua morte. As aparições são experiências exteriores, por necessidade. Há uma educação para a presença interior, no coração. Experiência que Maria já vivia. Por isso, ela sofreu, mas não se perturbou com a morte do Filho. A sua alegria foi mais intensa ainda do que a da encarnação de Jesus. É um novo nascimento, pleno de vida. Agora ela é a Mãe de Deus, Senhora das dores, sim, mas muito mais, a Mãe da gratidão e da esperança.

Gratidão e esperança, duas virtudes que a Páscoa nos ensina a cultivar. E Nossa Senhora nos educa neste caminho.

Maria é mulher de gratidão. Ela nos ensina a louvar ao Senhor por seus inúmeros benefícios. Ele fez grandes coisas na sua existência. Ela se alegra pela sua presença na sua vida e na sua história (Lc1,28.47). Alegria pela participação na salvação do Reino de Deus. Alegria em Deus Salvador (Lc 1,46-47). Alegria em conhecer a verdade de Deus e a verdade humana. Alegria da ação de Deus: ele fez grandes coisas. Alegria da certeza de que Deus existe e está vivo entre nós.

Maria é mulher de esperança. Mesmo nos acontecimentos dolorosos, sua única força era o Senhor. É uma confiança que não exige, mas espera. Ela espera o Salvador e a manifestação do poder e da bondade de Deus na fé, disponibilidade, humildade e gratidão. É uma esperança ativa, pois acredita na transformação das pessoas e do mundo. No Apocalipse, é apresentada como símbolo do parto doloroso que cada cristão realiza para passar do conhecimento inicial para a experiência mais profunda de Cristo. Maria é para cada um de nós a Mãe da esperança. Ela nos ensina que Deus é a nossa esperança.

Na Páscoa somos chamados a exercitar a gratidão e a esperança: o mundo precisa destas virtudes. Jesus ressuscitado é o Senhor da alegria e da esperança.

Rezemos com nossa Mãe:

“Rainha do céu, alegrai-vos, aleluia,

pois o Senhor que merecestes trazer em vosso seio, aleluia,

ressuscitou, como disse, aleluia;

rogai a Deus por nós, aleluia.

 

Uma santa e feliz Páscoa a todos.

 

 

 

Dom Paulo Roberto Beloto,

        Bispo Diocesano.