Franca, 13 de Novembro de 2018

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

21/06/2018 - Natividade de São João Batista


João é filho de Zacarias, sacerdote do grupo de Abias, e de Isabel, descendente de Aarão. Eles não tinham filhos, pois eram idosos e Isabel estéril (Lc 1,5-7.18). Receberam a graça da concepção (Lc 1,13). O Senhor foi misericordioso com Isabel (Lc 1, 25.58). As Sagradas Escrituras apresentam a concepção e o nascimento de João como motivo de alegria (Lc 1,14.58).

João alegrou-se com a vinda do salvador ( Lc 1, 44). Sua missão: ser grande diante do Senhor; cheio do Espírito Santo; reconduzir o povo ao Senhor; caminhar na frente do povo; converter os corações; preparar o povo (Lc 1,15-16). A mão do Senhor estava com ele (Lc 1,66).

João Batista (batizador) pregava no deserto da Judéia a conversão, indicando um comportamento moral. É apresentado como a voz que grita no deserto; o seu apelo é a preparação do caminho do Senhor (Mt 3,1-2; Mc 1,2-4; Lc 3,1-14Jo 1,19-23; At 13,24;19,4). Realizava um batismo de conversão no rio Jordão (Mt 3,6-10; At 1,5; 10,37; 11,16; 18,25; 19,3). O seu batismo fazia parte de um movimento de preparação do povo para a conversão e salvação. Era um rito de purificação e perdão dos pecados.

Usava roupa feita de pelos de camelo e cinto de couro na cintura. Comia gafanhotos e mel silvestre. O seu modo de vestir e comportamento lembrava a figura do profeta Elias (Mt 3,4; Mc 1,6).

Anunciava a vinda do Messias que iria batizar com o Espírito Santo e com fogo (Mt 3,11; Mc 1,7-8; Lc 3,16; Jo 1,26)Batizou Jesus (Mt 3,13-17; Mc 1,9-11; Lc 3,21-22; Jo 1,29-34; 3,22-30; At 1,22).

Foi preso por Herodes Antipas, que ele havia censurado por seu matrimônio adúltero e incestuoso com Herodíades (Mt 4,12. 11,2; Mc 1,14).

Tinha discípulos, que interrogaram (ou são citados) Jesus sobre a questão do jejum (Mt 9,14; Mc 2,18; Lc 5,33).

Foi citado por Jesus sobre a sua austeridade de vida (Mt 11,18; Lc 7,33).

Enviou discípulos para interrogar Jesus sobre sua messianidade (Mt 11,2-6; Lc 7,18-23).

Foi elogiado pelo Mestre como grande profeta (Mt 11,7-19; Lc 7,24-35 ). Testemunhou a verdade que é Jesus (Jo 10,41).

Nele se concretizou a crença judaica de que Elias retornaria antes do Messias (Mt 17,13; Mc 9,13).

Alguns pensavam que Jesus fosse João ressuscitado (Mt 16,14; Mc 8,28; Lc 9,19).

Jesus falou da autoridade do batismo de João (Mt 21,25-27; Mc 11,30-33; Lc 20,4-8).

Seu martírio aconteceu por motivos banais (Mt 14,1-12; Mc 6,14-28; Lc 9,7-9).

Autores acreditam que João teve uma influência da comunidade de Qumrã, que vivia nas proximidades do Mar morto.

Lições da vida e ministério de João Batista.

a) Alegria. O seu nascimento provocou alegria. Esta vem da bondade e generosidade de Deus que concedeu a Zacarias e Isabel a graça de poder gerar um filho, mesmo em ocasião de limites.

A alegria é dom do Espírito. É a certeza de que Deus nos ama aconteça o que acontecer.

Na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, o Papa Francisco apresenta a alegria como uma das características da santidade no mundo atual. “O santo - diz o Papa-, é capaz de viver com alegria e sentido de humor. Sem perder o realismo, ilumina os outros com um espírito positivo e rico de esperança. Ser cristão é “alegria no Espírito Santo” (Rm 14,17), porque, “do amor de caridade, segue-se necessariamente a alegria” (n. 122).

b) Testemunha de Jesus. João sempre colocou Deus acima de tudo. Quem deveria aparecer era o Messias, e não ele próprio. Deixou-se conduzir pelo Espírito. Sua missão era apenas servir.

c) Anúncio da penitência, conversão e purificação dos pecados. Esta é a mensagem central Palavra de Deus: a nossa redenção.d) Austeridade. Vivia do essencial. “A sobriedade, vivida livre e conscientemente, é libertadora" (Papa Francisco, Carta Encíclica Laudato si, n. 223).

e) Coragem. A verdade está acima dos desmandos e injustiças.

Dom Paulo Roberto Beloto,
Bispo diocesano.