Franca, 11 de Dezembro de 2018

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

14/08/2018 - Assunção de Nossa Senhora – 2018.


A Igreja afirma quatro dogmas marianos: Maria, Mãe de Deus, a Virgindade de Maria, Imaculada Conceição e a Assunção de Nossa Senhora.
O dogma é uma verdade de fé contida na revelação e formulada, definida, afirmada e proposta como doutrina pela Igreja, para ser crida como fé divina. “Os dogmas são luzes no caminho de nossa fé que o iluminam e tornam seguro” (CIC, 89).
1 – Maria, mãe de Deus” – Theotókos, geradora de Deus. É um título mariano que ilumina os demais. O dogma da maternidade divina de Maria foi definido pelo Concílio de Éfeso, no ano de 431.
Maria é mãe de Jesus, como homem e como Deus. É a Mãe da pessoa de Jesus na sua totalidade. Ela experimentou uma gravidez normal, gerou Jesus e acompanhou, junto com José, o crescimento normal do filho.
Em relação ao Pai, Maria é a filha predileta e escolhida, agraciada com ternura pelo Criador. Em relação a Deus Filho, Maria é mãe, educadora, intercessora, discípula e companheira. Maria é cheia do Espírito Santo, tornou-se um templo vivo de Deus.
Maria é também nossa mãe. É a mãe dos filhos no Filho Jesus. Continua gerando os cristãos no mistério da Igreja.
A Igreja e cada cristão participam da maternidade de Maria. A Igreja é nossa mãe, que nos acolhe, nos gera na fé, nos alimenta e nos acompanha através da Palavra, da oração, dos sacramentos e da vida fraterna. E cada cristão é mãe como Maria, pois gera Cristo na sua alma e no seu coração.
2 – A Virgindade de Maria. O Concílio de Constantinopla II, em 553, afirmou que “Jesus encarnou-se da gloriosa Theotókos e sempre virgem Maria”. O Concílio Lateranense, em 640, disse que “Maria é santa e sempre virgem... concebeu do Espírito Santo... deu à luz sem corrupção, permaneceu virgem depois do parto”. Paulo IV, em 7/8/1555, afirmou que Maria é “sempre virgem, antes do parto, durante o parto e depois do parto”.
Maria concebeu Jesus por ação do Espírito Santo, por pura graça e iniciativa de Deus. Também recebeu uma graça extraordinária por ocasião do nascimento de Jesus. E continuou virgem, consagrando-se totalmente a Deus.
3 – Imaculada Conceição. Este dogma, proclamado por Pio IX, em 3/12/1854, afirma que Maria não conheceu o pecado original, para que fosse a digna Mãe do Filho de Deus. Foi pré-redimida por Cristo. Ela recebeu esta graça especial de Deus, mas também se esforçou para a viver a santidade.
4 – Assunção de Nossa Senhora. Proclamado por Pio XII, em 1/11/1950, o dogma afirma que Maria foi glorificada no céu. Ela está junto de Deus com o corpo transformado, cheio de graça e luz.
O que os dogmas marianos, de modo particular, a Assunção de Maria, nos ensinam?
a) Maria, Mãe de Deus, sempre virgem, imaculada e assunta ao céu é obra do Altíssimo. Ele a escolheu e amou-a primeiro. Ela é cheia de graça, é portadora das bênçãos do Senhor, depositária das alegrias messiânicas e do seu amor pleno.
b) Maria nos ensina a louvar a Deus pelas suas maravilhas. Colocou-o no centro de sua vida. Ele é nosso Senhor e Salvador, onipotente, misericordioso, mas próximo dos seus filhos (Lc 1, 46-49).
c) A Mãe nos ensina a buscar e a viver a santidade. Recebeu graças especiais, mas também se esforçou no caminho da prática das virtudes. Ela nos ensina a buscar a santidade, com a graça de Deus, a estarmos abertos a sua ação em nós. A nos libertar da vaidade, do orgulho e do egoísmo. A sermos humildades e pequenos diante da majestade e santidade do Senhor (Lc 1,51-52).
d) Ela é mulher de serviço e de dedicação ao próximo. Ensina-nos a olhar o mundo com compaixão (Lc 1,39. 53-54).
e) Deus é maior que o mal que quer devorar os seus filhos. Em Cristo, por sua força, poder e realeza, realiza a salvação (Ap 12, 10ab).
f) Ela nos ensina que o nosso destino último é o céu, onde também seremos glorificados pela misericórdia e graça de Deus. Em Cristo, todos nós reviveremos (1 Cor 15,22).
g) Maria foi toda de Deus e profundamente humana: eis o segredo dos dogmas marianos.Dom Paulo Roberto Beloto,Bispo diocesano.