Franca, 13 de Novembro de 2018

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

15/10/2018 - 29º Domingo Comum – Ano B


29º Domingo Comum – Ano B

Marcos 10,35-45 narra o episódio dos filhos de Zebedeu. Tiago e João pedem a Jesus lugares de destaques e honras. Querem privilégios quando Ele estiver na glória: “sentar-se à sua direita e a à sua esquerda”.
Jesus chama a atenção dos dois discípulos por esta falta de humildade. Eles podem até ter a mesma sorte do Mestre: “beber do seu cálice “e “ser batizado com o seu batismo”. O cálice e o batismo são símbolos do sofrimento, da dor e da morte.
Mas o caminho de Jesus é de despojamento, de serviço e amor que se entrega. Quem o segue não pode pensar e agir como os chefes das nações que oprimem e tiranizam. Segui-lo não confere títulos, direitos ou vantagens. Ele inverte a lógica dos reinos deste mundo.
“Quem quiser ser grande, seja vosso servo; e quem quiser ser o primeiro, seja o escravo de todos... O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos” (Mc 10,44-45).
Jesus é o exemplo e o modelo de serviço. O discípulo deve seguir o mesmo caminho.
Isaías 53,10-11 traz alguns versículos do quarto canto do Servo do Senhor, falando de sua fidelidade em oferecer a sua vida pela nossa redenção. Deus lhe concede a luz e a vitória. Ele está junto daqueles que são fiéis à justiça, que se colocam a seu serviço parta testemunhar a verdade, mesmo enfrentando sofrimentos e provações. A dor do Servo é causa de libertação, resgate e salvação. Sua fidelidade a justiça fará outros justos.
Jesus assume a missão do Servo. É o Filho do Homem que se ofereceu para a nossa redenção. É o Messias sofredor, enviado pelo Pai para reconciliar tudo consigo (2 Cor 5,19). É o sumo sacerdote que “entrou no céu”, que se compadeceu “de nossas fraquezas” (Hb 4,14.15). Sua fragilidade é “força de Deus e sabedoria de Deus” (1 Cor 1,23).
A Palavra nos convida a nos aproximarmos “com toda confiança do trono da graça, para conseguirmos misericórdia e alcançamos a graça de um auxílio no momento oportuno” (Hb 4,16).
A fé é um encontro de amor com Jesus que nos salva. Sua solidariedade com a nossas dores, crises e sofrimentos, é o nosso consolo e a nossa força. É também a inspiração para vivermos o serviço e a caridade fraterna. Jesus nos libertou para a liberdade (Gl 5,1). Agora somos livres para amar e servir, em seu nome.
Quando celebramos a Eucaristia recebemos do alimento da Palavra e do Corpo e Sangue de Cristo, para vivermos também a missão do serviço gratuito, da doação generosa e do amor partilhado.

Dom Paulo Roberto Beloto,
Bispo Diocesano.