Franca, 13 de Novembro de 2018

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

06/11/2018 - 32º Domingo do Tempo Comum – Ano B


Marcos 12,38-44 narra dois momentos distintos e paralelos no ministério de Jesus:

a) no seu ensinamento, Ele alerta a multidão obre o comportamento dos doutores da Lei, pois ostentavam riqueza e prestígio às custas dos mais pobres;

b) a seguir, no Templo, observa e elogia o gesto de uma viúva.

Eram muitas as ofertas apresentadas ao Senhor no Templo de Jerusalém. Com as oferendas e para o sustento do Templo, também eram depositadas esmolas num lugar visível. Foi ali que a viúva lançou suas moedas: uma quantia insignificante.

Para Jesus, o seu gesto foi louvável, ao ponto de comentar o fato com os discípulos. Ela deixou-se abandonar em Deus, confiando no seu poder e na sua ação: Ele é a sua segurança e a sua riqueza.

A viúva foi um exemplo de humildade e generosidade, pois deu tudo o que tinha, sem se preocupar com retribuição ou recompensa. Agiu com a pureza de intenção.

1 Rs 17,10-16: Elias foi acolhido por uma pobre viúva, que se privou do necessário para ajudar o profeta. Foi hospitaleira, experimentando a graça da retribuição divina.

Hb 9,24-28: Jesus é apresentado como o sacerdote da Nova Aliança. “Ele entrou uma só vez no verdadeiro santuário do céu... com uma oferta que expiou e aboliu o pecado uma vez por todas” (Missal Dominical). Em Jesus, somos perdoados, encontramos acesso a Deus, celebramos a nossa reconciliação.

Lições:


1 - Devemos buscar a Jesus com confiança: Ele é o nosso sacerdote. Nele encontramos o sentido da nossa vida e a nossa salvação. Ter Jesus ao nosso lado é já a melhor retribuição.

2 - Devemos imitar as viúvas de Sarepta e a do Templo de Jerusalém, sendo despojados, simples e solidários, tendo confiança em Deus e oferecendo-lhe o que temos de melhor. São Paulo nos exorta a nos oferecermos “em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus: este é o nosso verdadeiro culto” (Rm 12,1). Podemos oferecer os dons que recebemos, o nosso sorriso, um pouco do tempo que temos, uma palavra amiga, uma visita cordial, um perdão, um gesto de caridade.

3- Deus não mede as nossas ações com valores numéricos: Ele vê o nosso coração. Ele mede os nossos atos pela sinceridade e generosidade.

4- É precioso evitar a hipocrisia dos escribas, superando toda e qualquer tentação de ostentação, requinte e prestígio às custas dos outros.


Dom Paulo Roberto Beloto,

Bispo Diocesano.