Franca, 13 de Dezembro de 2018

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

04/12/2018 - 2º Domingo do Advento – 2018


Continuando a celebrar o tempo do Advento, é bom recordar as atitudes que nos ajudam a caminhar rumo ao Natal do Senhor.

1ª semana – vigilância: Vigiar é perceber a presença de Deus em nossa história e nossa vida. É procurar a vontade do Senhor. É perseverar no caminho do bem.

2ª semana – conversão: A conversão é condição para celebrar o Natal. É acolher na fé a oferta de amor de Deus. Conversão é deixar-se guiar pela verdade que Jesus veio anunciar.

3ª semana – alegria: Jesus é a nossa alegria. Ficamos felizes com a sua encarnação, pois ela revela que Deus nos ama com um amor gratuito e generoso. O cristão é alegre por Jesus, por aquilo que Ele faz, por sua obra de redenção.

4ª semana – obediência: Aprendemos com os tementes a Deus a virtude da obediência. Obedecer é acolher a vontade do Senhor, como fizeram José e Maria.

O 2º Domingo do Advento nos apresenta a figura de João Batista (Lc 3,1-6). Ele lembra os profetas do A.T. Era um asceta que exerceu o seu ministério às margens do rio Jordão. A missão de João era preparar o caminho do Senhor, anunciando que o mundo novo, salvo por Deus, estava chegando. Este mundo novo não vem pelo poder dos homens, muitas vezes exercido com ambições, corrupções, opressões e abusos. A nova história é de salvação, fruto da graça de Deus. O mundo novo vem pela missão de Jesus e é aberto a todos: “todas as pessoas verão a salvação de Deus” (Lc 3,6).

O Advento é tempo de espera e de preparação. Aguardamos ansiosos o nascimento do Salvador. Mas também damos a nossa resposta a esta novidade que é Jesus. Este domingo nos convida à conversão.

No Antigo Testamento converter-se é “voltar para trás”, voltar à Aliança que foi violada pelo pecado. João Batista segue esta tradição utilizando como sinal de marca desta conversão o batismo: “um batismo de conversão para o perdão dos pecados” (Lc 3,3). Esta posição do profeta já é um grande passo na nossa comunhão com Deus e fraternidade humana. Mas Jesus vai além. João ainda fica na Lei, a iniciativa é das pessoas de abrir-se a esse apelo. Em Jesus, Deus toma a iniciativa. Ele nos ama e nos salva. Por isso, a conversão é fruto da graça do Espírito. Da nossa parte, respondemos com a nossa fé.

Para Jesus, converter-se é crer na Boa Nova e dar uma resposta de adesão ao Reino. A salvação é garantida por Deus. Converter-se é acolher na fé a oferta de Deus e viver o seu amor. É uma abertura do coração contrito à misericórdia divina. Esta mudança do coração nos leva a uma nova mentalidade, novos pensamento e atitudes. Deus é o centro de tudo e para Ele deve se voltar a nossa vida. Servimos ao Senhor no amor e na justiça, nos diz são Paulo (Fl 1,9.10).

A abertura a Deus nos leva aos irmãos. Só o amor pode gerar a vida nova e a santidade.

Deus nos guiará “com alegria, à luz de sua glória, manifestando a misericórdia e a justiça que dele procedem” (Br 5,9).

Advento é tempo de cultivar o amor, a justiça, a vigilância e a conversão. É tempo de perdoar mais, de generosidade, caridade fraterna e alegria no Senhor.


Dom Paulo Roberto Beloto,

Bispo diocesano.