Franca, 19 de Setembro de 2019

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

08/01/2019 - Batismo do Senhor – 2019


A festa do Batismo de Jesus é uma passagem do Tempo do Natal para o Tempo Comum, em nossa liturgia.

p>Jesus foi batizado por João. Os três evangelhos sinódicos e João lembram o fato (Mt3,13-17; Mc 1, 9-11; Lc 3 21-22; Jo 1, 22-34; 3,22-30). O batismo de João fazia parte de um movimento de preparação do povo para a conversão e salvação. Era um rito de purificação e perdão dos pecados e penitência. Neste sentido, Jesus não precisava ser batizado, pois não possuía nenhum pecado, mas fez questão desta experiência.

A cena do batismo revela a pessoa de Jesus e o sentido da sua missão. Ele é o Messias, o Filho de Deus amado. Jesus sabe-se apossado pelo Espirito por ocasião do seu batismo. Tornou-se mensageiro de Deus, fazendo ai a experiência de sua vocação. A sua autoridade repousa sobre o que aconteceu através de João (Mc 11, 27-33).

A “pomba” lembra a pomba do dilúvio, sinal do mundo novo de reconciliação e paz. Jesus comunica o Espírito para reconciliar o mundo e trazer a paz. Ou pode ser o símbolo da Comunidade da Aliança, que se reúne pela mensagem e pelo Espírito que Jesus comunica. A vida divina se concentra em Jesus.

O Pai proclama que Jesus é o Filho amado. Ele recebeu o dom do Espírito Santo e foi proclamado como o Messias, o ungido para realizar a missão do servo. Depois da consagração, pode realizar a salvação e anunciar o Reino. O Pai se alegra com a sua obediência.

O Batismo é uma data importante em nossa vida, para se recordar e celebrar.

O Catecismo da Igreja Católica apresenta este sacramento como “o fundamento de toda a vida cristã”, “a porta que dá acesso aos demais sacramentos” (CIC, 1213). É a base que sustenta todos os ministérios. Todas as vocações nascem da vocação batismal.

No Batismo recebemos a remissão dos pecados, “nos tornamos membros de Cristo”; “somos incorporados à Igreja” e feitos participantes da missão do Senhor (Idem, 1213).

Fomos batizados: em nome do Pai criador do céu e da terra, que sustenta e mantém a nossa vida; em nome do Filho Jesus, pelo qual a humanidade é salva em corpo e alma; em nome do Espírito Santo, que habita em nós.

Em oração e com os olhos da imaginação, é bom recordar a data feliz do nosso batismo: vendo a Igreja, a pia batismal, as pessoas que lá estavam, nossos pais e padrinhos, o ministro do sacramento. Vendo o padre realizando o gesto sacramental do batismo, derramando água em nossa cabeça. Ouvindo as palavras: “Eu te batizo em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. É bom cada um deixar-se banhar pela gratuidade de Deus, por seu amor sem explicações, pela alegria do Pai, pelo ânimo e solidariedade do Filho e pela unção do Espírito.

Fomos chamados à vida por obra de Deus. Fomos batizados por sua misericórdia. Ele nos ama incondicionalmente, com um amor gratuito. Por isso, podemos aceitar e acolher a nossa história sem medo, pois tudo está em suas mãos.


Dom Paulo Roberto Beloto,

Bispo Diocesano.