Franca, 17 de Julho de 2019

Diocese de Franca

CNBB - Regional Sul 1

Voltar

03/03/2019 - 1º Domingo da Quaresma


1º Domingo da Quaresma


A Quaresma é tempo de preparação para a Páscoa, coração da fé cristã. Segue uma pedagogia: convite à conversão, à penitência e ao perdão. É um presente que Deus nos oferece através da Igreja.

A liturgia quaresmal segue um ritmo: a Quarta-feira de cinzas, como sua porta de entrada; o primeiro Domingo ensina a vencer as tentações; no segundo Domingo escutamos Jesus glorioso; somos chamados à conversão, vencendo a esterilidade, no terceiro Domingo; O quarto Domingo nos lança nos braços misericordiosos do Pai; e o quinto Domingo nos educa no perdão. A Semana Santa é uma experiência de profunda comunhão com a paixão do Senhor.

No início de nossa “subida a Jerusalém” com Jesus, para celebrar a Páscoa, aprendemos com Ele a vencer as tentações. Elas são estranhas e contraditórias, mas atraentes e sedutoras. O Senhor nos ensinar a rezar: “Não nos deixes cair em tentação”.

A nossa vocação é Deus. É mergulhar no seu mistério. “És tu o meu Senhor, fora de ti não tenho bem algum” (Sl 16,2). “Sem mim, nada podeis fazer” (Jo 15,5).

A tentação do ser humano é colocar-se no lugar de Deus, é duvidar do seu amor. É o risco da auto-suficiência. Quando ignoramos a sua presença, abusamos da própria liberdade. Orientar a vida sem Deus, é uma rebelião contra o Criador e Senhor da vida. Que orgulho mesquinho e trágico!

Jesus nos ensinou a vencer essa tentação com o remédio da oração. O nosso coração foi feito para estar em sintonia com o Senhor, princípio de tudo e só a Ele devemos adorar. Fazer a sua vontade é fonte de integração interior e realização humana. A fidelidade às Sagradas Escrituras, a Jesus, Verdade e Vida, nos dá segurança e certeza no Caminho.

A nossa vocação é a fraternidade e a comunhão com os outros. Fomos feitos para a alteridade. Só realizamo-nos plenamente na abertura, no diálogo, na tolerância, na paciência, no respeito e no amor doado e recebido. A nossa personalidade só amadurece quando sabemos doar e conviver com os outros, com as diferenças e as particularidades.

Somos tentados ao fechamento, ao egoísmo, ao isolamento, à inveja, aos preconceitos, à exploração, à impaciência, à indiferença e ao medo. Corremos o risco de banalizar os relacionamentos e descartar as pessoas.

Jesus nos ensinou a vencer essas tentações com o remédio do amor fraterno, da solidariedade e do perdão.

A nossa vocação é a harmonia e o equilíbrio no relacionamento com as coisas.

O mundo moderno nos tenta com o consumismo exagerado, com a avareza, a gula, a corrupção, o desperdício, a degradação do meio ambiente. Podemos ser escravos das coisas.

A receita do Médico dos médicos é o respeito à vida, a sobriedade, a evitar o supérfluo e a superar a mentalidade deste mundo consumista.

Jesus nos ensina e nos ajuda a vencer as tentações, deixando-nos guiar pelo Espírito Santo de Deus.


Dom Paulo Roberto Beloto,

Bispo Diocesano.