3º Domingo do Tempo Comum

Duas palavras se destacam na liturgia da Palavra desse domingo: luz – 5 vezes e Galileia – 6 vezes.

Estamos seguindo Jesus tendo como referência o Evangelho de Mateus. Este evangelista apresenta Jesus como o Emanuel, o Deus conosco (1,23; 18,20; 28,20). Jesus é o Messias que realiza as promessas do A.T. É o Mestre que veio implantar a justiça que faz nascer o Reino. A justiça do Reino é a novidade de Jesus e a mística que anima os seus seguidores.

A passagem do Evangelho neste 3º domingo comum traz o início do ministério de Jesus e o chamado dos primeiros discípulos (4,12-23).

Jesus inicia a sua missão nas redondezas da Galiléia. Essa região, por sua posição geográfica e estratégica, por causa da fertilidade do seu solo e condições climáticas favoráveis à agricultura, era cobiçada e despertava forte interesse por parte dos romanos. A Galiléia era uma província rica, além de produzir alimentos para o país, estradas comerciais facilitavam o acesso e o escoamento de mercadorias. Havia ali uma população quase estrangeira, entre judeus e gentios.

Apesar dos privilégios, a política econômica imposta pelos romanos estava gerando ao povo da roça um empobrecimento acelerado. A forte cobrança de impostos contribuía para o endividamento dos pequenos camponeses e a perda de suas terras. Muitas famílias abandonavam suas aldeias e iam viver como pobres nas cidades, ou fugiam para as montanhas. Para essa gente pobre Jesus é a luz, trazendo a justiça do Reino, cumprindo as promessas do A.T.

A imagem da luz é familiar na Bíblia. É a primeira coisa que Deus criou (Gn 1,3). É símbolo da vida, da salvação e esplendor da glória de Deus (Is 60,1-2). Esta imagem era aplicada à Lei e à cidade de Jerusalém (Ap 20,10-11.23) Deus é luz (1 Jo 1,5). Jesus é a luz do mundo que ilumina a vida dos seres humanos (Jo 1,5.9; 3,19; 8,12; 12,35-36.46).

“O povo que andava (vivia) na escuridão (nas trevas) viu uma grande luz; para os que habitavam (viviam) nas sombras (na região escura) da morte, uma luz resplandeceu (brilhou)” (Is 9,1; Mt 4,16). “O Senhor é minha luz e salvação) Sl 26,1).

A luz faz parte da essência de Deus. Jesus é luz enquanto comunica a vida e a graça de Deus. É luz enquanto comunica o amor do Pai. Ele revela que Deus é amor e que nos ama.

O mal, as injustiças, o desamor e o pecado geram a escravidão e a morte. No mundo existem trevas e situações adversas que provocam no coração do ser humano decepções, mágoas, violência e crises. Jesus é a grande luz que veio curar as feridas do coração humano. É o nosso companheiro de viagem, a salvação oferecida por Deus, o caminho que gera segurança, o sentido de nossa existência. Quem crê em Jesus e acolhe a sua mensagem, entra no caminho de Deus, tem a verdade e a vida, é filho da luz.

Jesus formou um grupo para participar de sua missão. Constituiu com os discípulos uma família, uma comunidade marcada pela amizade, pela convivência fraterna e pela comunhão. A marca da comunhão dele com os seus é o amor.

Esta comunhão deve se estender à Igreja. Paulo fala da importância da união (1 Cor 1,1013.17). Todos somos de Cristo e Ele não está dividido.

Dom Paulo Roberto Beloto, Bispo Diocesano.