Epifania do Senhor

O termo epifania vem da língua grega e significa aparição, manifestação ou revelação. Para a fé cristã, é a manifestação ou revelação de Deus, em Jesus Cristo.

Na liturgia, é uma festa que celebra o fim do tempo natalino, com a manifestação de Jesus a todos os povos, simbolizada nos magos do Oriente. Na tradição popular, é uma festa conhecida como dos santos reis.

Celebramos na Epifania a revelação da bondade de Deus que quer salvar e redimir todos os povos. Jesus é apresentado com o caminho da salvação.

As Sagradas Escrituras apresentam várias imagens e títulos para falar de Jesus. A solenidade da Epifania destaca a imagem da luz. Rezamos depois da comunhão: “Ó Deus, guia-nos sempre e por toda parte com a vossa luz celeste”.

A imagem da luz é familiar na Bíblia. É quase sinônimo de vida. É a primeira coisa que Deus criou (Gn 1,3). A Palavra de Deus é identificada com a luz (Sl 119,105). Assim como a justiça (Pr 4,18). Também a cidade Jerusalém é lugar de luz (Is 60,1.3). Sua luz é a glória de Deus e sua lâmpada é o Cordeiro (Ap 21,23).

Deus é luz e salvação que nos liberta do medo (Sl 27,1). É luz e nele não há trevas (1 Jo 1,5). Identificar Deus como luz, significa que sua essência é o amor, a santidade e  a verdade.  

Jesus é a luz do mundo que ilumina a vida dos seres humanos (Jo 1,9; 3,19; 8,12; 9,5 12, 35-36. 46; Mt 4,16). Jesus como luz revela o Pai, comunica a vida de Deus, o sentido de nossa vida e da existência do mundo. Jesus é luz enquanto comunica o amor, a verdade e a salvação.

A luz clareia, ilumina, revela as coisas, ajuda a discernir.

“Vós sois a luz do mundo” (Mt 5,14), diz Jesus.

Pelo Batismo somos iluminados e participamos da luz que é Cristo. Somos “filhos da luz e filhos do dia. Não somos da noite nem das trevas” (1 Ts 5,5). Caminhamos na luz da fé e nossas ações devem brilhar “como luzeiros no mundo” (1Ts 2,15).

Caminhar na luz da fé, seguir a Jesus, é praticar a verdade. Somos portadores da sua luz e da sua sabedoria. A nossa missão é fazer transparecer a presença luminosa de Cristo, presente em nós.

“Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Procedei como filhos da luz” (Ef 5,8)

Caminhar na luz é deixar Jesus nascer em nosso coração, é ser sua testemunha, é dar lugar a Ele em nós. É viver a verdade, a bondade, a justiça. Ser luz é viver intensamente a nossa vocação de cristãos, comunicando o amor, a bondade, a verdade, as obras da luz.

Se considerarmos o itinerário catequético de Mateus 2,1-12, acolher Jesus como luz, é fazer o caminho dos magos do Oriente: deixando comodidades e distâncias, vencendo com fé e esperança os obstáculos e dificuldades que se apresentam, tendo clareza e discernimento na direção, sendo atraídos e cativados por sua Estrela e colocando-nos a caminho. Quando encontramos Jesus, reconhecemos nele a Deus como único Senhor, o sentido de nossa existência, oferecemos nossas homenagens, nosso amor e serviço. Quem encontra o Senhor, refaz a vida, tem atitudes novas, deixa-se guiar pelo Espírito.

Dom Paulo Roberto Beloto, Bispo diocesano.