Imaculada Conceição de Nossa Senhora

A Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora nos ajuda a refletir e a rezar a anunciação do Senhor (Lc 1,26-28).

A anunciação (encarnação) é iniciativa do amor de Deus: o anjo Gabriel foi enviado por Ele. “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra” (Lc 1,35).   É o cumprimento das suas promessas. Ela acontece por puro amor Daquele que vê, ouve, conhece e sente as dores da humanidade. O Senhor nos ensina a olhar o mundo com compaixão, vencendo as distâncias, preconceitos e barreiras; com confiança, respeitando o ser humano.

O conteúdo da anunciação diz respeito primeiramente ao Messias: quem vai nascer de Maria será Jesus, o Filho do Altíssimo, o Santo, o Filho de Deus, o Rei.

O conteúdo da anunciação diz respeito à Maria: é a virgem “cheia de graça”; o Senhor está com ela; encontrou graça diante de Deus. Maria é objeto da complacência divina. 

O conteúdo da anunciação diz respeito também a nós. A encarnação do Verbo é por nossa causa: Jesus nasce para nos salvar e nos reconciliar com Deus; para que conheçamos o seu amor; para ser nosso modelo de santidade e nos tornar participantes da natureza divina (CIgC, (457-460).

O que aprender de Maria? As suas primeiras reações são humanas: susto, surpresa, confusão, medo, interrogações. Ela supera o medo: “Se o Senhor está comigo, por que temer?” – assim deve ter pensado. No seu íntimo descobriu a presença e a vontade de Deus. Daí o silêncio. Os piedosos se calam porque encontraram a Deus. Maria é solicita: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).

O dogma da Imaculada Conceição afirma que Maria foi pré-redimida por Cristo. Ela não conheceu o pecado original, para que fosse a digna Mãe do Filho de Deus. É a cheia de graça, toda santa e toda de Deus.

A Mãe do Senhor recebeu graças especiais, mas é humana como nós. Esforçou-se para viver a santidade. Fez um caminho de generosidade, pureza e docilidade aos dons do Espírito Santo.

A Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora é ocasião de prestarmos a nossa veneração e o nosso carinho a Santa Mãe de Deus. É também oportunidade para pedir a sua intercessão e olhar para Maria como nosso modelo e nossa inspiração.

A nossa vocação é iniciativa do amor de Deus. Ele olha para nós, confia em nossa resposta e nos chama a segui-lo. Maria nos ensina a sermos generosos, fiéis e solícitos. 

Fomos chamados a uma vocação não por nossos méritos, mas por causa do amor de Deus e da sua graça. Por isso, podemos aceitar e acolher a nossa história sem medo, pois tudo está nas mãos de Deus. Ele é tudo em nossa vida. Com a sua graça, podemos ordenar a nossa existência para a santidade, pois Ele “nos abençoou com toda a bênção do seu Espírito”, nos escolheu “para que sejamos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor” (Ef 1,3.4).

Somos de Cristo quando vivemos as obras santas. Podemos conceber o Verbo, quando vivemos santamente. Aprendemos de Maria a gerar o Cristo, escutando a Palavra e pondo-a em prática.  

Dom Paulo Roberto Beloto,
Bispo Diocesano.